Quem ficou fora do trem

Muito barulho em torno da primeira ferrovia estadual do país em Mato Grosso. Mais barulho ainda com as que serão construídas pelo governo federal: a FICO e Ferrogrão. Frete mais baixo, escoamento intermodal, geração de emprego, etc., etc. Mas não houve sequer alguma menção aos pequenos produtores, oriundos da agricultura familiar.

É sabido que 70% do que vai a mesa dos brasileiros (segundo o IBGE) sai justamente dos pequenos produtores. As grandes safras da monocultura são exportadas in natura. A agricultura familiar alimenta seu próprio país, mas parece que não sobrou vagão para os pequenos. E olha que amargam a mesma alta de fretes e do preço dos combustíveis.

Se considerar que os cinturões verdes podem crescer em Mato Grosso, com municípios abastecendo uns aos outros, conforme a produção que se destaca em cada um, certamente também traria riqueza para o campo. Consideremos, por exemplo, a geração de empregos: são 77% dos que são envolvidos no setor agrícola.

Entre os muitos discursos e falações não se ouve nada sobre o incentivo aos pequenos produtores, que poderiam ter uma vaga, pelo menos no último vagão, de tanta ferrovia que está sendo anunciada. E se tiver que incentivar o crescimento tem que ser agora! Quando o trem apitar, o setor também pode estar pronto para também exportar. Sim exportar. Exportar manga, laranja, tomate e vários outros produtos.

O silêncio sobre esse assunto é nas três esferas do poder: federal, estadual e municipal. Os municípios ao longo da BR 163 que serão diretamente beneficiados pela ferrovia, não falam nada. Observando que muitos dos produtos consumidos aqui vem de outros estados e até de outros países, como a maçã, alho e peras.

Em Nova Mutum e em Lucas do Rio Verde a assinatura do contrato para construção da ferrovia por MT reuniu os maiores produtores da monocultura, soja e milho. Estavam na primeiras cadeiras. Agricultura familiar? Nem o sindicato foi convidado. Uma pena, porque contribuem e muito com o estado e com o país.

Pode ser que já exista algum projeto em andamento, ou pelo menos pensado, mas não publicado. E veja que o assunto ferrovia tem ocupado um bom espeço nos meios de comunicação. Conversando com alguns pequenos produtores, a gente percebe um certo abatimento em relação aos incentivos, pegado carona nas ferrovias. Mas como disse um deles , “o pequeno pode andar junto com o grande, inclusive no trem, afinal os dois tem um único propósito: alimentar o mundo”.

LEY MAGALHÃES É JORNALISTA